No passado, os agricultores dormiam pouco mais de cinco horas por dia, durante a temporada de trigo, antes de iniciar o processo de colheita sob o calor escaldante. 

Hoje, porém, hectares de trigo podem ser colhidos por meio de comandos à distância que ativam uma colheitadeira autônoma. As tecnologias avançadas da fazenda moderna transformaram completamente a agricultura em algo que, apenas alguns anos atrás, associaríamos a um filme de ficção científica.

A cidade de Rio Verde é a maior produtora de grãos do estado de Goiás, respondendo por 1,2% da produção nacional de grãos. Distribuída em uma área de 378.853 hectares, a produção agrícola do município é de cerca de 1,2 milhão de toneladas por ano, com principais safras como arroz, algodão e soja.

Agricultura 4.0

Metodologias científicas de plantio, equipamentos agrícolas automatizados e sistemas de produção avançados sustentam o desenvolvimento da indústria agrícola. Rio Verde está preparada para o crescimento econômico, inovação e implantação de tecnologia para levar a agricultura ao próximo nível — a tecnologia inteligente tem o potencial de liderar a região na era da Agricultura 4.0.

Em Goiás, o governo tem desempenhado um papel de liderança na transformação digital da agricultura. A FAPEG (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás) está fornecendo know-how agrícola e aplicações agrícolas.

Por sua vez, a Huawei está fornecendo soluções 5G, nuvem e IA; e a Claro Brasil está implantando as redes 5G. A colaboração entre setores também trará tecnologias diferenciadas, como drones e rovers autônomos.

Principais aplicações da agricultura inteligente e de precisão

Os benefícios potenciais das soluções de agricultura inteligente são muitos. A agricultura de precisão, por exemplo, pode usar dados derivados de imagens e sensores para rastrear colheitas, solo e o ar em tempo real para que os agricultores possam observar e responder às mudanças em locais específicos, também em tempo real. 

As tecnologias de entrada de taxa variável adicionarão precisão ao plantio e ao uso de fertilizantes e pesticidas, de modo que os agricultores só usem o que é necessário onde for necessário, economizando custos e mão de obra.

Além disso, os sistemas de irrigação inteligentes podem minimizar o desperdício de água e garantir sua entrega nos lugares certos na hora certa.

E tem também os sistemas de monitoramento do solo, que podem rastrear a qualidade geral e a composição química da terra para que os agricultores melhoram a fertilidade de safras específicas e para que possam lidar com problemas locais diversos, como:

  • toxicidade;
  • salinização;
  • acidificação.

Entre outros problemas e circunstâncias pontuais que podem ocorrer. Vale mencionar, ainda, o monitoramento da produção, que pode fornecer dados georreferenciados em tempo real sobre as safras conforme são colhidas, incluindo quantidade, qualidade e teor de umidade.

Para isso, drones podem monitorar fazendas do ar, com dados de câmeras e sensores alimentando outros sistemas agrícolas. E veículos autônomos, imbuídos de capacidade de tomada de decisão, podem realizar certas tarefas em sistemas de produção de alimentos. 

O reconhecimento de rota pode usar sensores para coletar dados ambientais e monitorar rotas em tempo real, e o controle inteligente por meio de IA em nuvem e grande largura de banda 5G pode atingir vídeo HD de 360 graus. Estufas inteligentes podem gerenciar as condições de cultivo, com controle de clima automatizado e sistemas de irrigação, otimizando as condições de cultivo e minimizando a intervenção humana. A pecuária de precisão pode gerenciar e melhorar a saúde do gado usando a IoT em cenários como vacas conectadas.

Os sistemas de gerenciamento de fazendas podem combinar dados de campo com percepções de fontes mais amplas, como telemática de máquinas agrícolas, observatórios meteorológicos e mercados de comércio global. A análise de dados, avaliação de risco e ferramentas de análise financeira podem ajudar os agricultores a minimizar o desperdício e maximizar a produção de ponta a ponta. A detecção de doenças com base em imagens e vídeos de alta resolução pode sustentar os sistemas de resposta rápida a eventos que ameaçam o gado e as plantações.

5G, nuvem e IA podem melhorar a eficiência e reduzir o tempo de inspeção de terras agrícolas de uma semana para uma hora. A análise precisa das áreas problemáticas pode reduzir o uso de herbicidas em 90%.

Os sistemas de gestão inteligentes permitirão um monitoramento e uma gestão para a agricultura de alto desempenho, levando em consideração as características individuais das plantas e microrregiões por meio de análises de dados em tempo real. 

A gestão de estoque florestal, por exemplo, inclui soluções de alta resolução, possibilitando a construção de uma solução de visão computacional com algoritmos adequados para fornecer a situação atual do estoque florestal externo.

Em linha com esses tipos de benefícios, a agroindústria brasileira está priorizando novas tecnologias e aplicativos — especialmente, em inteligência orientada a dados com base em soluções de IoT. Recentemente, o governo brasileiro divulgou seu Plano Nacional de IoT, que inclui a Agricultura 4.0, que se ampara em quatro pilares: 

  • gestão baseada em dados;
  • produção com novas ferramentas;
  • sustentabilidade;
  • profissionalização. 

Tecnologias como Internet móvel, IoT, visão computacional e tomada de decisão inteligente irão evoluir a agricultura em direção a um modelo de gerenciamento online enxuto e inteligente. A convergência de 5G, nuvem e IA aplicada em soluções agrícolas específicas pode aumentar a eficiência, a utilização de recursos, o rendimento da terra e a produtividade.

Hoje, estamos dando os primeiros passos no caminho para o futuro da agricultura. Acreditamos que a colaboração e a abertura podem acelerar a agricultura inteligente no Brasil.
A Huawei é a única empresa que pode fornecer recursos completos abrangendo 5G, nuvem e IA, e com isso o potencial E2E para transformar a indústria. 

O desenvolvimento da agricultura inteligente depende muito da conectividade sem fio, da computação em nuvem e do machine learning para obter produção precisa e em tempo real e gerenciamento inteligente. Isso requer colaboração entre os setores, o que, por sua vez, traz um ecossistema sustentável que cultiva as melhores práticas.

Com sua taxa de pico de dados mais alta, latência mais baixa e recursos de conexão massivos, o 5G não apenas aumenta a velocidade e a precisão da transmissão e do processamento de dados, mas melhora a precisão do controle e a estabilidade de drones e robôs. 

Quando o 5G combina com IA e computação em nuvem, novos cenários de produção, como monitoramento de vídeo ao vivo, diagnósticos remoto e no local podem estimular a agricultura inteligente.

No Brasil, pelo Brasil!

A Huawei atua no Brasil há 22 anos em uma ampla gama de setores, incluindo agricultura, mineração, manufatura e mídia. Caminhamos lado a lado com o Brasil nas jornadas 3G, 4G e 4.5G, com uma ampla gama de parceiros, e atualmente atendemos 95% da população brasileira com nossos produtos e soluções. 

Construímos a primeira rede de fibra óptica da região amazônica, conectando 20 cidades e atendendo a 4 milhões de pessoas. Em 2019, pagamos 1,44 bilhão de reais (US$ 281,3 milhões) em impostos locais, adquirimos bens no valor de 627 milhões de reais no mercado interno e investimos 139 milhões de reais em P&D localmente. Com isso, os setores que mais se beneficiarão com as TIC são aqueles que utilizam tecnologias inteligentes para remodelar os setores tradicionais.

“No Brasil, pelo Brasil” é mais do que um slogan; descreve o que estamos fazendo agora e como planejamos continuar.

Este artigo foi útil?

Obrigado pela avaliação!

Sim Não

Escrito por:

Marketing Huawei

Deixe seu comentário

Nome * Campo Obrigatório
E-mail * Campo Obrigatório * E-mail Inválido